Revelações do Amor Divino

                                       

“O nosso bom Senhor disse-me certa vez: «Todas as coisas vão acabar em bem»; e doutra vez  disse-me: «Verás que tudo acabará em bem.» Com estas palavras, a minha alma percebeu […]  que Ele quer que saibamos que Ele presta atenção, não somente às coisas nobres e grandes,  mas também às que são humildes, pequenas, pouco elevadas, simples. É isto que Ele quer dizer  quando declara: «Tudo, seja o que for, terminará em bem.»

 Ele quer fazer-nos entender que nem a menor coisa será esquecida. E quer que  compreendamos que muitas ações são tão más a nossos olhos e nos causam tanta dor, que  parece impossível que possam ter um fim bom; e assim, afligimo-nos e lamentamo-nos, de tal  modo que deixamos de ser capazes de encontrar a paz na contemplação bem-aventurada de  Deus, como devíamos. Porque aqui em baixo raciocinamos de forma tão cega, tão baixa, tão  simplista, que nos é impossível conhecer a sabedoria elevada e maravilhosa, o poder e a  bondade da Santíssima Trindade. […] É como se Deus dissesse: «Tende o cuidado de acreditar e  confiar em Mim, e no final vereis tudo na verdade, e portanto na plenitude da alegria.» […]

Há uma obra que a Santíssima Trindade realizará no último dia, segundo vejo. Quando esta obra vai ser feita e como será feita, nenhuma criatura abaixo de Cristo o sabe e ninguém o saberá até ao seu cumprimento. […] Se Deus quer que saibamos que Ele fará esta obra, é para que estejamos mais à vontade, mais pacificados no amor, que deixemos de fixar o olhar nas tempestades que nos impedem de verdadeiramente nos alegrarmos nele. Esta é a grande obra ordenada por Nosso Senhor desde toda a eternidade, um tesouro profundamente escondido no seu seio bendito, e só conhecida por Ele. Por esta obra, Ele vai garantir que tudo acabe em bem, porque tal como a Santíssima Trindade criou todas as coisas do nada, assim vai tornar boas todas as coisas que o não são.” Revelações do Amor Divino (capítulo 32) de Santa Juliana de Norwich, notável mística da Idade Média (1342-1416).
Anúncios

Deixe seu comentário aqui:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s