Quando Deus sai à nossa procura – A história de Oséias

festa

Oséias foi um profeta Israelita do antigo testamento, chamado por Deus a testemunhar com sua própria vida, e sentir na própria pele, o que era a traição e o abandono dos filhos de Deus ao seu amor e sua aliança.

A época de Oseias foi um tempo em que as tribos de Israel haviam se desvirtuado e se esquecido das Leis de Deus, praticando coisas abomináveis aos seus olhos e servindo a outros deuses.

Deus, então, chama Oséias e pede-lhe que se case com uma mulher de prostituição, de modo a mostrar ao povo por meio de sua vida a situação na qual Israel se encontrava diante dEle (Os 1, 2).

Oséias vai, então, e toma Gomer, filha de Deblaim e se casa com ela. Como mulher de prostituição, mesmo casada, Gomer continua a se deitar com amantes e chega a trazer para a casa de Oséias filhos de outros homens para que fossem criados por ele (Os 1, 3-8).

A bíblia diz que Gomer se enfeitava com anéis e colares para ir atrás de seus amantes dia e noite. Ela saía para se prostituir em troca de pão, azeite e linho, quando tudo isso ela possuía com fartura na casa de Oséias (Os 2, 7-14).

Deus ordena então a Oséias que vá atrás de Gomer, buscá-la onde quer que ela esteja, em qualquer que seja a situação em que ela se encontre (Os 3, 1).

Oséias vai então atrás de sua mulher, enferma, nua, suja, prostituída. Gomer é encontrada em uma situação tão deplorável que Oséias tem de pagar aos seus cafetões quinze moedas de prata mais uma carga de cevada para poder levá-la para casa (Os 3, 2).

É assim que Deus nos ama.

Imagine você a humilhação, a dor, o sofrimento de Oséias vendo a trajetória de sua mulher se afastando cada vez mais dele e do amor remidor que ele oferecera a ela, e pior: tendo que ir atrás dela naquelas condições. É a dor que Deus sente quando pecamos, quando dizemos com a nossa vida que preferimos a prostituição do que o amor dEle.

Oséias deu a ela uma oportunidade de sair daquele estado de vida deplorável em que as mulheres que praticavam prostituição sagrada naquele tempo se encontravam. Mas Gomer preferiu a vida na prostituição. E ele ainda precisava vê-la todos os dias sair de casa para se prostituir, e suportar tudo aquilo com paciência e constância, sem  deixar de amá-la, e mais do que isso: se dispor a pagar um preço para trazer aquela mulher de volta para a casa, mesmo sabendo que provavelmente ela voltaria para a vida antiga outra vez.

O que quero extrair dessa passagem é a característica de perseverança e busca do amor de Deus. O livro de Oséias é uma alegoria da nossa relação com Deus. São Paulo fala na carta aos Coríntios que o amor não se cansa de esperar, que ele é paciente e benfazejo, que o amor nunca falha. E principalmente se tratando do amor de Deus.

O nossos pecados às vezes são tantos e tão grandes, que a sensação que temos é que nada pode ser maior do que eles. Quantas vezes nos comportamos como Gomer, voltando para aquele nosso pecado terrível mesmo depois de uma confissão feita há poucos dias? Nós voltamos para a casa, mas saímos outra vez. Voltamos mais uma vez, para sair outras tantas.

Nós sentimos em nós o apelo a reparar os nossos pecados e a endireitar os nossos caminhos, mas vendo que somos fracas demais e caímos constantemente em certos tipos de pecados, deixamos de acreditar que nenhum lugar é longe demais para o amor de Deus chegar até lá, e nos desesperamos.

Houve um tempo em que alguns pecados na minha vida eram tão recorrentes que eu comecei a me desesperar, pois eu os confessava quase todas as semanas e voltava a cometê-los com uma facilidade enorme. Comecei a considerar que talvez eu nunca fosse superá-los e, portanto, eu deveria desistir de buscar o perdão por eles. Eu, assim como Gomer, acreditava que aquela era a vida destinada a mim, já que eu não conseguia sair de lá. Eu não tinha me tornado apenas uma Gomer, mas eu havia ido até as últimas consequências disso.

Perdida como estava, Deus é quem foi lá me encontrar. Deus é quem foi, apesar de tudo, pagar as quinze moedas de prata e a cevada para me ter de volta. E Ele foi lá por meio de pessoas, por meio de sinais e rumos aos quais foi direcionando a minha vida mas, acima de tudo, ele foi lá quando se deixou ser pregado numa cruz e morrer de morte vergonhosa. Eu sabia para onde voltar, mas enferma e suja como Gomer, eu sequer tinha forças para fazer o caminho de volta.

No dia de hoje quero encorajar você que se encontra como Gomer em seu pecado a se deixar encontrar por Deus. Não estou pedindo para que você se levante e vá à procura dEle, porque Ele  JÁ ESTÁ  à sua procura.

Nada do que tenhamos feito pode ser suficientemente grande para que Ele não queira nos buscar e nos trazer para perto dele outra vez. Ele diz na história da Oséias que ‘’transforma o vale da desgraça em porta de esperança’’ (Os 2, 17).

Estamos no tempo da Quaresma, em que o Deus humanado caminha pelo deserto. Deixe que Ele te encontre por lá, e transforme a sua terra seca e árida em um solo fértil de novo. Nenhuma sequidão é grande demais que não possa ser umedecida por Ele, que é a Água da Vida. Nele encontramos vida em abundância!

Deixe que o Senhor te encontre no Sacramento da Confissão, se este for o seu caso, sem se cansar ou desanimar pelo peso de seus pecados, porque é Ele quem diz, e não nós, que ‘’Dissipa os teus pecados como nevoeiro e tuas culpas como nuvem’’ (Is 44, 22). Porque o Senhor nos ama. Você tem ideia da força disso?

A história de Oséias e Gomer é concluída com Oséias trazendo Gomer de volta pra casa, restaurando sua dignidade e fazendo com ela uma nova aliança, a fim de que não torne a deixá-lo em troca da prostituição outra vez (mesmo sabendo que é possível que ela faça isso) (Os 3, 3-5).

Mas ainda mais forte do que isso é a profecia de Oséias, num paralelo com Gomer, sobre os filhos de Deus que se perderam: ‘’eles voltarão a buscar o Deus único e seus corações voltarão a palpitar pelo Senhor e por seus benefícios pelo resto de seus dias’’ (Os 3, 5).

Deixe Deus te encontrar e tirar você dos seus prostíbulos existenciais, dos quais você luta para sair e não consegue. Ele nos ama ”com amor de eternidade e com benignidade nos atrai” (Jer 31, 3).

Louvado seja Deus por não nos tratar conforme merecemos e nem nos deixar de lado, desistindo de nós. Somos como Gomer, mas o nosso Oséias é o Senhor. O amor dele é infalível e incansável na busca pelas suas ovelhas que se perdem.

Que tal conversarmos um pouco nos comentários? Quero ouvir o que você tem a dizer.
Anúncios

2 comentários sobre “Quando Deus sai à nossa procura – A história de Oséias

    1. Oi Mônica, linda a história de Oséias, né? Tenho aprendido muito com ela, os ensinamentos de Deus para nós por meio desse profeta são muito preciosos!

      A maior satisfação do meu coração é saber que o nosso conteúdo está sendo edificante para você. Deus tem feito muitas coisas por meio deste apostolado, apesar de mim.
      Agradeço pelo seu tempo dedicado a nos deixar seu recadinho.

      Que Deus te abençoe.
      Um abraço!

      Curtir

Deixe seu comentário aqui:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s